Sindrome do Estudante

Um dos conceitos interessantes que eu aprendi lendo os livros do Goldratt é o da Sindrome do Estudante, que é definido assim pela Wikipedia (livre tradução):

Fenômeno onde pessoas começam a se esforçar para finalizar uma tarefa no último momento possivel antes do final do prazo. Isso leva a perda de qualquer buffer reservado para tarefas individuais durante estimativas.

É fácil entender porque esse conceito têm esse nome. Qualquer pessoa que já foi estudante sabe que sempre que tem um trabalho a ser feito, ele vai ser começado justamente quando não dá para atrasar mais, ou seja, no último momento possível.

O que eh dificil de se dar conta é que esse conceito se aplica também ao mundo dos negócios e, o que mais me interessa, no desenvolvimento de software.

Normalmente, quando o desenvolvedor vai estimar uma série de estórias para uma iteração, naturalmente um buffer de incerteza é colocado dentro de cada estimativa. Então se eu acho que uma tarefa vai demorar na melhor das hipóteses 1 hora, vou estimar 1 hora e meia só pra garantir. :D

Não tem nada de errado nisso, já que estimativas são chutes científicos, mas o problema é que todos esses buffers não são especificados nas estimativas, e ficam esquecidos dentro das tarefas individuais.

Na hora da implementação, o desenvolvedor acaba usando todo o tempo reservado para a tarefa na melhor das hipoteses. Devido a isso, quando uma tarefa apresenta maior complexidade do que o esperado, todos os buffers individuais que foram reservados para as tarefas anteriores já foram usados, fazendo com que o tempo para todas as tarefas seja maior do que o previsto.

Como resolver isso?

Estime todas as tarefas sob um ponto de vista otimista, e coloque todas as margens de segurança em um buffer único, que vai sendo utilizado na medida em que é necessário. Com isso, a procrastinação durante as tarefas é menor, levando a melhores resultados.

Ainda existem outras maneiras em que se pode observar esse fenomeno ocorrendo em desenvolvimento de software, mas como o texto está ficando grande, vou deixar isso para um próximo post.

Um abraco,

Francisco

Sobre o autor:

Frank Trindade

Francisco Trindade

Francisco Trindade é desenvolvedor e consultor da ThoughtWorks UK. Engenheiro de Computação e mestre em Engenharia de Software pela UFRGS, Francisco possui 5 anos de experiencia em desenvolvimento de software, alem de ser um entusiasta e praticante de metodologias ágeis.
About these ads

2 thoughts on “Sindrome do Estudante

  1. Outro conceiro interessante nesse sentido é a Sindrome de Parkinson (não a doença) onde, independente do tempo disponível, a pessoa consumira todo o buffer para a execução da tarefa. Junte esses dois e qualquer estimativa de tempo em projeto vai pelos ares.

  2. Pingback: Participação no “Encontro Ágil 2008″ « André Faria Gomes

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s