AgileMMA: Como ser ágil em um ambiente cascata?

Veja neste post, como que o amigo Celso Martins está transformando uma equipe para observar os valores da agilidade, dentro de um ambiente relativamente hostil ao próprio movimento ágil.

Nessa sua jornada, o sistema principal escolhido foi o Kanban. Entretanto, neste contexto complexo, ele decidiu aplicar um conceito mais amplo, o AgileMMA (que apresentei aqui em outro momento).

Sugiro fortemente a leitura desse relato de como que uma adoção pode ser pragmática e efetiva.  Conheça também a estratégia que ele usou para planejar essa mudança, comunicar a alta gerência, treinar a equipe, para “conviver” estrategicamente com o processo cascata existente e por fim, para gerar toda a adaptação necessária à criação de sinergia com o ambiente.

O link para o texto do Celso é: http://celsoavmartins.blogspot.com.br/2012/03/como-ser-agil-em-um-ambiente-cascata.html

Boa leitura!

Lean – Do desperdício ao desenvolvimento de pessoas

Reduzir o desperdício ou otimizar qualquer forma de trabalho é um grande desafio, pois não basta apenas eliminar tarefas julgadas como desnecessárias, mas sim, trata-se de uma grande mudança na mentalidade das pessoas para que seus comportamentos sejam melhores e também “mais enxutos”. É disso que trata o Pensamento Lean (Lean Thinking).

Esse é o trecho inicial de um recente artigo meu publicado no blog The Fratech Way. Leia o texto na íntegra em: http://way.fratech.net/post/1048941475/lean-do-desperdicio-ao-desenvolvimento-de-pessoas.

O nosso Sistema Kanban – Uma experiência Lean para equipes de sustentação

A Motivação

Há cerca de um ano, iniciei um desafiador trabalho de coaching em Agile para uma instituição financeira/bancária. De forma que como é uma empresa relativamente grande, têm nos permitido usar ferramentas diferentes para resolver problemas específicos, um exemplo disso é que usamos Scrum para projetos desenvolvimento de software e algumas práticas da FDD(Feature Driven Development) para engenharia e gestão de requisitos.

Um das áreas com qual eu atuo, é uma equipe de sustentação de produtos (suporte) que atende a vários clientes internos diferentes, com demandas (novas funcionalidades e correções) totalmente diferentes e principalmente numa necessidade de ritmo totalmente independentes da outra.

Continue reading

Crie uma cultura baseada na transparência e confiança

Imagine ou lembre que você está solteiro e morando sozinho em sua casa… Conseguiu? Se sim, seja sincero comigo: Por quanto tempo você deixa sua casa bagunçada? Não saberei exatamente qual será sua resposta, mais de uma coisa estou certo: UM SOLTEIRO DEIXA A CASA BAGUNÇADA POR UM LONGO TEMPO.

Normalmente um solteiro só arruma a bagunça de sua casa, sempre que há uma necessidade iminente de receber uma visita qualquer (família, amigos, amigas, paqueras, etc.).  Dessa forma, vamos refletir um pouco: Qual o motivo de um solteiro fazer isso somente estimulado pela visita de alguém?  A resposta é pura é simples, O desejo de mostrar uma boa imagem para os outros.

Já falei um pouco sobre esse assunto no artigo Vencendo o estado de negação numa Sprint Retrospective, onde abordei algumas questões psicológicas referentes ao Ide, Ego e Superego, principalmente pela dimensão do superego, que é a instância da personalidade responsável pela projeção positiva de nossa imagem, orientada aos valores de certo e errado do universo social que estamos inseridos.

Continue reading

Entrevista sobre Lean com Mary e Tom Poppendieck – Parte 1

Ao participar do Agiles 2008 realizado em Buenos Aires(Argentina), nós da InfoQ Brasil, tivemos a oportunidade de realizar uma entrevista exclusiva com o simpático e bem humorado casal de gurus, criadores do Lean Software Development, Mary e Tom Poppendieck que foram Keynotes no evento.

Destaco aqui um fragmento da resposta de Tom Poppendieck, sobre os pilares do Lean:

O segundo é o respeito pelas pessoas e esse pilar é baseado no maior, no mais sério desperdício: o desperdício de talento, desperdício de esforço, desperdício intelectual de pessoas e seus aprendizados. Respeitar pessoas é uma coisa muito profunda. O principal trabalho de um líder numa empresa lean não é conseguir que o trabalho seja feito; seu principal trabalho é treinar seu pessoal, ajuda-los a melhorar, ajuda-los a tornarem o processo melhor.

A entrevista será publicada em vários capítulos, em uma espécie de degustação ágil, portanto, acompanhem a primeira parte desse rico material em: http://www.infoq.com/br/articles/entevista-Mary-Tom .